Entenda o que é e como funciona a tecnologia de reconhecimento facial

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Neste artigo você irá entender como funciona a tecnologia de reconhecimento facial. A tecnologia facial é um método de identificar ou verificar a identidade de um indivíduo usando seu rosto. Os sistemas de reconhecimento facial podem ser usados ​​para identificar pessoas em fotos, vídeos ou em tempo real. A polícia também pode usar dispositivos móveis para identificar pessoas durante as paradas policiais.

Além disso, o reconhecimento de rosto tem sido usado para direcionar as pessoas envolvidas em uma fala protegida. Em um futuro próximo, a tecnologia de reconhecimento de rosto provavelmente se tornará mais onipresente.

Ele pode ser usado para rastrear os movimentos de indivíduos no mundo, como leitores automatizados de placas rastreiam veículos por números de placas. O reconhecimento facial em tempo real já está sendo usado no Brasil e em outros países e até mesmo em eventos esportivos nos Estados Unidos.

Como funciona o reconhecimento facial?

Os sistemas de reconhecimento facial usam algoritmos de computador para identificar detalhes específicos e distintos sobre o rosto de uma pessoa. Esses detalhes, como distância entre os olhos ou formato do queixo, são então convertidos em uma representação matemática e comparados aos dados de outros rostos coletados em um banco de dados de reconhecimento de rostos. Os dados sobre um rosto específico costumam ser chamados de modelo de rosto e são distintos de uma fotografia porque são projetados para incluir apenas alguns detalhes que podem ser usados ​​para distinguir um rosto do outro.

Alguns sistemas de reconhecimento de rosto, em vez de identificar positivamente uma pessoa desconhecida, são projetados para calcular uma pontuação de correspondência de probabilidade entre a pessoa desconhecida e modelos de rosto específicos armazenados no banco de dados. Esses sistemas oferecerão várias correspondências potenciais, classificadas em ordem de probabilidade de identificação correta, em vez de apenas retornar um único resultado.

Os sistemas de reconhecimento de rosto variam em sua capacidade de identificar pessoas em condições desafiadoras, como iluminação fraca, resolução de imagem de baixa qualidade e ângulo de visão abaixo do ideal (como em uma fotografia tirada de cima olhando para uma pessoa desconhecida).

Quando se trata de erros, existem dois conceitos-chave para entender:

Um “falso negativo” é quando o sistema de reconhecimento de rosto não consegue comparar o rosto de uma pessoa com uma imagem que está, de fato, contida em um banco de dados. Em outras palavras, o sistema retornará erroneamente zero resultados em resposta a uma consulta.

Um “falso positivo” é quando o sistema de reconhecimento de rosto faz a correspondência do rosto de uma pessoa com uma imagem em um banco de dados, mas essa correspondência é realmente incorreta. É quando um policial envia uma imagem do “Ricardo”, mas o sistema informa erroneamente ao policial que a foto é de “Jack”.

Ao pesquisar um sistema de reconhecimento de rosto, é importante observar atentamente a taxa de “falso positivo” e a taxa de “falso negativo”, uma vez que quase sempre há uma compensação. Por exemplo, se você estiver usando o reconhecimento facial para desbloquear seu telefone, é melhor se o sistema não conseguir identificá-lo algumas vezes (falso negativo) do que identificar erroneamente outras pessoas como você e permitir que essas pessoas desbloqueiem seu telefone (falso positivo). Se o resultado de um erro de identificação é que uma pessoa inocente vai para a cadeia (como um erro de identificação em um banco de dados de fotos instantâneas), o sistema deve ser projetado para ter o mínimo possível de falsos positivos.

Como a polícia usa o reconhecimento facial?

Os agentes da polícia federal estão usando o reconhecimento facial cada vez com mais frequência no policiamento de rotina. A polícia coleta fotos dos presos e as compara com bancos de dados de reconhecimento facial locais, estaduais e federais. Depois que a foto do preso é tirada, a foto ficará em um ou mais bancos de dados para ser verificada toda vez que a polícia fizer outra busca criminal.

A polícia pode então consultar esses vastos bancos de dados de fotos para identificar pessoas em fotos tiradas de mídia social , CFTV, câmeras de trânsito ou mesmo fotos que eles próprios tiraram em campo. Os rostos também podem ser comparados em tempo real com as “listas quentes” de pessoas suspeitas de atividades ilegais.

O reconhecimento facial móvel permite que os policiais usem smartphones, tablets ou outros dispositivos portáteis para tirar uma foto de um motorista ou pedestre no campo e imediatamente comparar essa foto com um ou mais bancos de dados de reconhecimento facial para tentar uma identificação.

O reconhecimento facial tem sido usado em aeroportos, em passagens de fronteira e durante eventos como os Jogos Olímpicos. O reconhecimento facial também pode ser usado em espaços privados, como lojas e estádios esportivos, mas regras diferentes podem ser aplicadas ao reconhecimento facial do setor privado.

O reconhecimento facial no transporte público

No transporte público, área que faz o uso da tecnologia de reconhecimento facial, os ônibus da cidade de São Paulo já contam com a adoção do sistema, sendo automatizado desde maio de 2019. A intenção é identificar o uso irregular dos cartões de passe usados de forma proibida por outras pessoas ou familiares sem autorização.

Como funciona a tecnologia de reconhecimento facial nos aeroportos?

Como funciona a tecnologia de reconhecimento facial

A tecnologia ganhou destaque nos aeroportos durante a crise sanitária causada pela COVID-19, além de garantir o distanciamento social, a adoção dela agrega mais segurança, nota-se que sua adesão foi aderida nos aeroportos para agilizar o embarque, inclusive a tecnologia está sendo utilizada em Salvador, Florianópolis e no Rio de Janeiro no aeroporto Santos Dumont. O objetivo principal é diminuir filas e aglomerações para entrar no avião, além de medidas ambientais para eliminar o embarque através do uso de papel. Desta forma a tecnologia funciona por meio da validação biométrica do passageiro e, logo em seguida os dados e a foto são comparados em um base de dados que já está registrado no sistema do governo.

O reconhecimento facial nos condomínios

Como funciona a tecnologia de reconhecimento facial para condomínios residenciais, colégios e centros comerciais e residenciais?

Conforme relatamos anteriormente por meio de fotos armazenadas previamente no banco de dados, a tecnologia mapeia as características do rosto de forma rápida e totalmente segura. Assim, toda vez que alguém quiser ter acesso a portaria do prédio, será verificado pelo sistema que concederá ou não a permissão de entrada do indivíduo, fazendo toda a gestão de controle de acesso sem erros ou falhas humanas, trazendo mais segurança e economia no dia a dia. Pois, a falta de tecnologia ocasiona o erro, ou seja, falhas de roubo contra condomínios.

Outro benefício é a característica da tecnologia ser touchless, ou seja, sem toque, sendo primordial nesses tempos de pandemia e crise sanitária.

Dessa maneira, a tecnologia contribui para automatizar a vigilância em condomínios residenciais de pequeno a grande porte, tornando condôminos menos vulneráveis do ponto de vista de segurança.