Conheça as atribuições se você acabou de se tornar síndico ou administrador de condomínio

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Desempenhar a função de síndico de um condomínio não é nada fácil, ainda mais se você estiver assumindo o cargo pela primeira vez. Contanto, é normal que pela falta de inexperiência você se sinta um tanto perdido.

Por isso, não fique preocupado. Se você está iniciando agora nesta carreira, nós vamos ajudá-lo!

Neste artigo reunimos de forma simplificada quais são as atribuições de um síndico ou administrador de condomínios para que você possa desempenhar todas as suas atribuições com qualidade e excelência e ainda reduzir problemas operacionais e administrativos.

A Lei do Condomínio no 4.591, de 16/12/1964 define direitos, deveres e obrigações dos síndicos e/ou administradores de condomínios, tratando, inclusive, sobre a parte de segurança em seu Art. 22, que diz: Será eleito, na forma prevista pela convenção, um síndico do condomínio, cujo mandato não poderá exceder a 2 anos, permitida a reeleição.

§ 1º Compete ao síndico:

a) Representar ativa e passivamente, o condomínio, em juízo ou fora dêle, e praticar os atos de defesa dos interêsses comuns, nos limites das atribuições conferidas por esta Lei ou pela Convenção;

b) Exercer a administração interna da edificação ou do conjunto de edificações, no que respeita à sua vigência, moralidade e segurança, bem como aos serviços que interessam a todos os moradores;

c) Praticar os atos que lhe atribuírem as leis a Convenção e o Regimento Interno;

d) Impor as multas estabelecidas na Lei, na Convenção ou no Regimento Interno;

e) Cumprir e fazer cumprir a Convenção e o Regimento Interno, bem como executar e fazer executar as deliberações da assembléia;

f) Prestar contas à assembléia dos condôminos.

g) Manter guardada durante o prazo de cinco anos para eventuais necessidade de verificação contábil, toda a documentação relativa ao condomínio.                  (Alínea incluída pela Lei nº 6.434, de 15.7.1977)

§ 2º As funções administrativas podem ser delegadas a pessoas de confiança do síndico, e sob a sua inteira responsabilidade, mediante aprovação da assembléia geral dos condôminos.

§ 3º A Convenção poderá estipular que dos atos do síndico caiba recurso para a assembléia, convocada pelo interessado.

§ 4º Ao síndico, que poderá ser condômino ou pessoa física ou jurídica estranha ao condomínio, será fixada a remuneração pela mesma assembléia que o eleger, salvo se a Convenção dispuser diferentemente.

§ 5º O síndico poderá ser destituído, pela forma e sob as condições previstas na Convenção, ou, no silêncio desta pelo voto de dois têrços dos condôminos, presentes, em assembléia-geral especialmente convocada.

§ 6º A Convenção poderá prever a eleição de subsíndicos, definindo-lhes atribuições e fixando-lhes o mandato, que não poderá exceder de 2 anos, permitida a reeleição.

Art. 23. Será eleito, na forma prevista na Convenção, um Conselho Consultivo, constituído de três condôminos, com mandatos que não poderão exceder de 2 anos, permitida a reeleição.

Parágrafo único. Funcionará o Conselho como órgão consultivo do síndico, para assessorá-lo na solução dos problemas que digam respeito ao condomínio, podendo a Convenção definir suas atribuições específicas.

Afora o que está definido pela legislação, você como síndico deve seguir as orientações abaixo para o sucesso da sua gestão:

• Cumprir e cobrar tudo o que foi e o que vai ser descrito nesta Monografia;
• Conhecer a legislação sobre condomínio e sua administração;
• Conhecer profundamente o estatuto e as normas de seu condomínio;
• Conhecer o andamento dos trabalhos realizados no condomínio;
• Desenvolver com o conselho de condôminos normas firmes e transparentes sobre a segurança do condomínio, discriminando, inclusive, punições;
• Realizar reuniões periódicas com os condôminos a fim de despertar em todos a conscientização para a segurança;
• Estar sempre atualizado sobre Recursos Humanos a fim de praticá-los no condomínio;
• Acompanhar o fechamento da folha de pagamentos dos funcionários para evitar erros e com isto acarretar descontentamentos destes;
• Procurar ser justo e tratar todos os funcionários com educação e respeito;
• Tratar todos os moradores com cortesia e polidez, procurando conscientizálos sobre a importância da união de todos para a segurança do condomínio;
• Saber administrar conflitos, considerando que vai lidar, no dia-a-dia, com os problemas das pessoas;
• Ser paciente e possuir ótimo poder de discernimento;
• Não ser autoritário, lembrando-se que não administra o condomínio sozinho nem é o seu único proprietário, devendo dividir e delegar responsabilidades;
• Freqüentar cursos, palestras, feiras, seminários, etc., que dizem respeito à administração de condomínios, que objetivam mantê-lo sempre atualizado com novas estratégias e técnicas administrativas e de política de pessoal.

A partir de todas estas informações, você conseguirá adotar com maestria uma gestão eficiente ao implementar medidas humanas, tecnológicas e organizacionais para o seu condomínio. Continue ligado aqui no nosso blog e fique por dentro de mais dicas de tecnologia e segurança para condomínios residenciais e empresariais.